quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Pensée




O que esperar desta flor
Que começa a nascer?
Algo tão singelo e real
Que ainda nem consigo crer

Primavera que brota em meu peito
E não teme em crescer
Já há amor em meu jardim
E eu não consigo esconder


Raíssa Stèphanie

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Enfim




Encontro em seus olhos
Uma beleza que nunca vi antes
Sento em seu colo e mergulho em teu cafuné

Pensei que esse momento nunca chegaria
Uma névoa pesada há muito me cobria
E todos os dias era a mesma agonia
Os cacos de minh'alma todo o tempo emergiam

A dor do corpo nunca foi o meu martírio
As lembranças, as mentiras, as mágoas
Foram todas o meu maior estigma

Deixei registrado e anunciado
Que haveria forma sim de perdoar
Ver o outro seguir e sua felicidade cultivar

Mas meu coração entende sabiamente
Como também pode se curar
E mais uma vez ele palpita e sente
Quando você vem me acalentar

Parece tudo um sonho. Oh, céus!
Será que já é real o que há muito estive a buscar?
Estou envolvida em teus abraços
Enfim, consigo descansar


Raíssa Stèphanie


Escrevi este poema em 26 de julho, uma inspiração que veio em meio a uma sensação que eu ainda desconhecia. Não fiz pensando em alguém específico. Na verdade, fiz pensando em alguém que eu sentia que estava chegando. Pareceu-me que esta sensação era um anúncio do que estava para me acontecer.
E aconteceu... s2

quinta-feira, 14 de julho de 2016

O que aconteceu?




Índio
Se tu soubesses a dor que dilacera o meu peito
Afinal, o que é que aconteceu?

Se não fui nem por um segundo um desejo seu
Então por que me fez acreditar em tudo que me escreveu?

Eu não recebo um mísero sinal teu
Uma maldita explicação
Nem mesmo uma porcaria de adeus

Ó índio
O que aconteceu?

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Sinal




Letra: Raíssa Stèphanie
Música: Colors (Halsey)


Eu não consigo entender bem o que aconteceu
Foram quatro dias intensos, não posso esquecer
Havia acabado de desistir de encontrar
Algum amor pra mim e então você apareceu

Queria evitar que viesse me conhecer
Por medo em me envolver de novo assim
Mas você chegou mais perto e veio me guiar
Foi mais do que uma dança a me oferecer

E permanece aqui
Sua voz, seu cheiro, em meu pensar
Então caí na velha armadilha que é amar
Que me conduz
Que me conduz

E permanece aqui
O beijo, o toque, que faz suspirar
Eu não aguento, não tem jeito, eu vou me entregar
Só me seduz
Só me seduz

Eu sei que de esperanças não posso me embeber
Mas meu coração nunca soube como se conter
Ficou bem claro que o seu medo é deixar rolar
Uma história que por fim possa nos machucar

Então eu prometi que iria te entender
Mas será que faria o mesmo por mim?
Estou cansada de ter que só me magoar
Mas o meu sonho é ter você perto de mim

E permanece aqui
Sua voz, seu cheiro, em meu pensar
Então caí na velha armadilha que é amar
Que me conduz
Que me conduz

E permanece aqui
O beijo, o toque, que faz suspirar
Eu não aguento, não tem jeito, eu vou me entregar
Só me seduz
Só me seduz

Só não esqueça, sei que esperar é o melhor caminho
Mas é aquele que mais me dói, peço que quando pensar em mim
Me dê um sinal, talvez com isso eu consiga ao menos suportar

E permanece aqui
Sua voz, seu cheiro, em meu pensar
Então caí na velha armadilha que é amar
Que me conduz
Que me conduz

E permanece aqui
O beijo, o toque, que faz suspirar
Eu não aguento, não tem jeito, eu vou me entregar
Só me seduz
Só me seduz

E permanece aqui...
Que me conduz
E permanece aqui...
Só me seduz


Link para conhecer a música original:
https://www.youtube.com/watch?v=JGulAZnnTKA