sexta-feira, 18 de junho de 2010

Senão eu desabo


Estou de mãos atadas
Por favor, diga-me:
O que me resta fazer?

Não me peça para ser feliz assim
Não me peça para estar longe de você

Muito menos suma da minha vida
Não me obrigue a esquecer
Ainda que sua ausência me consuma
Ainda que o que espero me cause ferida por ferida

Peço-lhe o mínimo, de exigência tenho só uma
Posto que em lamentações ultimamente me acabo
Não vá embora ou, ao menos, não vá sem mim
Não me deixe sozinha, senão eu desabo


Raíssa Stèphanie

Um comentário:

Comenta, vai... ._. O dedo não cai, não. xD