quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Fim de espetáculo


O espetáculo acabou
O crítico desaprovou
A plateia não gostou
O palco desabou

Acabou meu amor pela arte
Importância que de mim fez parte
Acabo com estes pobres versos
Versos de disparates

É triste minha despedida
Mas deste rumo não tenho saída
Não avançarei mais nestes passos
Passos de eternos fracassos

O espetáculo acabou
Nada de mim restou
Acabou meu amor pela arte
Fim de um eterno desastre


Letra e Música:
Raíssa Stèphanie

2 comentários:

  1. Oi Raíssa!
    Que poema mais lindo! Eu simplesmente adorei! Eu me identifiquei bastante com ele, já perdi a conta de quantas vezes parei pra me perguntar se devo ou não continuar escrevendo até que cheguei à conclusão que escrever não era uma obrigação pra mim, mas sim uma necessidade que a platéia pode ou não entender, pode não gostar, pode não aplaudir... Talvez haja sentimentos que sejam tão seus que não precisam ser sentidos por outras pessoas e que ele se satisfaz em ser apenas seu... teu poema me leva instintivamente a imaginar tal espetáculo, dá pra ver a luz apagar, ouvir a platéia vaiando e indo embora, dá pra sentir a tristeza de quem muito lutou por um sonho e que chega ao seu limite e se questiona sobre as suas lutas e pensando no seu porvir entrega os pontos... E no fim fica a sensação de: e agora? Será que acabou mesmo?
    bjs
    Aline M.
    WWW.blogoutroscarnavais.blogspot.com

    ResponderExcluir

Comenta, vai... ._. O dedo não cai, não. xD