quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

O Vento


Sou como o vento
Constante ou passageiro
Passo na vida de cada pessoa
Fazendo diferença ou não

Se este feito conquisto
Tenho minhas vitórias
Mas tenho fracasso
Se o resultado é inútil

Apareço em um canto
E você pode até perceber
Mas não se espante
Se ali eu não permanecer

Pois se continuarei ou não
Não importa
O que vale é se lhe fiz bem
Se lhe fiz florescer o coração

E peço que não me prenda
Não queira me sufocar
Só de fato irei embora
Se eu não puder voltar


Raíssa Stèphanie

2 comentários:

  1. Fazes diferença na minha vida, e espero que não partas. E se partires, que seja uma despedida efêmera, para logo voltar.
    Adorei o texto, minha dondoca-índia-ianomami-do-cabelo-preto-breu! :*

    ResponderExcluir
  2. Não sejas como o Vento, minha doce amiga, peço-te que se iguale a brisa fresca e orvalhada de cada manhã, pois o vento chora quando passa em tardes quentes.
    A brisa sempre nós transmite um quê de alegria, e faz um som melodioso ao fim do dia.



    =*

    ResponderExcluir

Comenta, vai... ._. O dedo não cai, não. xD