sábado, 2 de julho de 2011

Bobo da Corte


Meus traçados já nem sei definir
Sou bobo da corte sem rumo, sem lar
Já tinha meus laços que há muito pus-me a forjar
Mas minha estrada já havia cruzado a sua, devo insistir

Ó coração alado que te vai com o vento
Aquieta-te o facho, suplica contentamento
Coração vagabundo que afoga-te em tormentos
Caminha sem direção, esperançoso e em passos lentos

Quisera eu saber as rédeas, saber o freio
Deste desejo, desta estúpida euforia
Mas nunca terei este conhecimento, muito receio
E nunca saciarei minha sede, nunca chegará o meu dia

Espero que um dia eu vá me libertar
Deste drama, desta tola chantagem
Anseio um dia a poder então respirar
E conseguir continuar minha retirante passagem


Raíssa Stèphanie

2 comentários:

  1. "Quisera eu saber as rédeas, saber o freio
    Deste desejo, desta estúpida euforia"

    Também me sinto desta forma, mesmo quando tudo vai bem. Porque sempre me parece que amo mais ou que me envolvo mais...

    ResponderExcluir
  2. "Aquieta-te o facho, suplica contentamento"

    Significa o mesmo que:

    "Senta lá Cláudia, já passou o teu momento"?
    KKKK

    ResponderExcluir

Comenta, vai... ._. O dedo não cai, não. xD